Ilustradoras Pin-up: você conhece as mulheres que fizeram história com seus desenhos?

Atualizado: 1 de Abr de 2019

Ouvimos falar muito dos ilustradores que fizeram história com seus desenhos no estilo pin-up, mas você sabia sobre as mulheres que ilustraram pin-ups? Gil Elvgren, Alberto Vargas, George Petty e muitos outros homens estão são as principais referências no tema.


Desconhecidas pela maioria, as ilustradoras pin-up deixaram seu legado na história e contribuíram ativamente para a publicidade e arte popular com seus desenhos que retratavam mulheres da época de 1940 e 1950. Conheça abaixo algumas célebres artistas, que participavam do clube seleto das artistas pin-up da metade do século:



Zoë Mozert

27/04/1907 - 01/02/1993 | Colorado Springs, Colorado - EUA


Nascida como Alice Adelaide Moser, Zoë estudou no Pennsylvania Museum School of Industrial Art. Ela pintou diversas capas de revistas e pôsteres de filmes durante sua carreira. Frequentemente era sua própria modelo, usando câmeras e espelhos para capturar a pose perfeita. Suas pinturas são conhecidas pela técnica em pastel e traduzir situações realistas.


Zoë pintando uma de suas modelos mais famosas, Jane Russel


Em 1941 contribuiu pintando para a Brown & Bigelow, maior empresa de calendários dos EUA. Uma de suas séries de pin-ups mais famosas foi a Victory Girls.


Entre seus pôsteres mais famosos, temos filmes como:

  • True Confession (1937)

  • The Outlaw (1943)

  • Calendar Girl (1947)

  • Never Say Goodbye (1956)




Pôsteres famosos de Zoë Mozert




Pin-ups de Zoë Mozert






Pearl Frush

20/03/1907 - 12/1986 | Sioux City, Woodbury, Iowa - EUA


Estudou artes em New Orleans, Filadélfia e Nova Iorque antes de ingressar na School of the Art Institute of Chicago sendo pupila de Charles Schroeder. De acordo com o co-autor do livro "The American Pin-up", livro referência no tema, sobre Pearl:


Pearl Frush


"O brilhantismo técnico de Frush era tal que, após um exame atento, seus trabalhos começaram a adquirir realidade fotográfica. Aqueles colecionadores conhecedores que estudaram suas pinturas muitas vezes julgaram-na igual a Alberto Vargas em excelência artística".



Calendário "Aqua Tour"


Dentre as mais famosas pin-ups de Pearl Frush, a série que virou um calendário fez muito sucesso e quebrou recorde de vendas em 1945 com uma pin-up diferente para cada mês.



Joyce Ballantyne

04/04/1918 - 15/05/2006 | Norkfolf, Nebraska - EUA


Joyce Ballantyne posando com Rolf Armstrong e Gillette Elvgren, precursores da ilustração pin-up

Nascida no estopim da Primeira Guerra Mundial, estudou na University of Nebraska por dois anos e foi transferida para o Art Institute of Chicago para estudar arte comercial.


Trabalhou em Cameo Press e Stevens-Gross Studio, pintando mapas e ilustrando livros. Em pouco tempo se tornou parte da alta classe de ilustradores, que incluía Gil Elvgren, Al Moore e Al Buell.


Em 1945 começou a pintar pin-ups para a Brown & Bigelow, recomendada por Gil Elvgren e diversos calendários com 12 pin-ups diferentes em cada, sendo um sucesso e reimpresso diversas vezes.









As pin-ups de Joyce Ballantyne




Garotinha da Coppertone




Ela foi também a criadora da famosa ilustração da Coppertone, empresa de protetor solar. A imagem de 1959 virou símbolo americano, sendo a sua filha de 3 anos a inspiração para o desenho. A imagem também foi amplamente divulgada no Brasil pela marca.



Mas não pense que de 1920 a 1960, quando a arte pin-up era extremamente comum, ingressar no mundo da pintura e ilustração foi fácil para elas. Em um mercado para consumo majoritariamente masculino e nada como homens para fazê-lo, elas lutaram pelo seu espaço e foram reconhecidas pelo seu trabalho e maestria irrevogáveis.


Parafraseando Louis K. Meisel, sobre as três melhores ilustradoras americanas: "Pearl Frush, Joyce Ballantyne e Zoë Mozert foram ótimas, tão boas quanto qualquer um dos homens na verdade, melhor do que muitas deles ”.

Fechamos com chave de ouro então o Mês Internacional das Mulheres, mostrando que como as Pin-up Queens em 1940 e 1950, nós continuamos lutando avidamente pelo nosso espaço.

0 visualização